Wednesday, February 10, 2021

Estudos de fonologia prosódica das línguas de Timor-Leste

Este é outro projeto que teve seu início de maneira um tanto informal, com outro colega, o Prof. Marco Barone, que se dedica à prosódia e se interessou em pesquisar a prosódia do português falado pelos leste-timorenses, bem como pela prosódia das línguas de Timor-Leste.

Como seu início se deu apenas a partir do diálogo e da dedicação nossa, minha e do prof. Barone, ainda estamos a organizar quais serão os próximos passos duma empreitada de tamanha magnitude e que até o momento não teve suporte ou apoio algum. Sabemos apenas que na primeira etapa nos dedicaremos à prosódia do português de Timor-Leste e do Tétum-Praça.

Assim, o primeiro resultado consiste no artigo já publicado Prosódia do português de Timor-Leste comparada com as demais variedades: um estudo introdutório, na revista Philologus, v. 26, 2020, sendo que o artigo pode ser lido e acessado aqui, bem como algumas comunicações em congressos as quais postarei a respeito em publicações futuras neste blog. 

Seguem o resumo e o abstract:

O português em Timor-Leste (PTL) é língua oficial do país, ao lado do Tétum-Praça (TP), língua franca nacional. O PTL é considerado uma variedade não dominante e ainda em construção, por isso apresenta certa instabilidade e aparente influência do contato com as demais línguas locais. O presente trabalho realiza um estudo prosódico introdutório do PTL e aponta algumas semelhanças e diferenças com as variedades do Português Europeu e do Brasil. Utilizamos a metodologia do Discourse Completion Task, com a readaptação de questionários anteriores utilizados em português e a produção de outro em Tétum-Praça. Serão analisados os dados dos contornos entoacionais de diferentes modalidades e tipos pragmáticos de sentença. Uma investigação inicial sobre as declarativas de foco amplo e as perguntas polares e parciais informativas aponta em direção à hipótese de certa transferência prosódica do substrato Tétum para o PTL. 

Palavras-chave: Prosódia. Padrão entoacional. Português de Timor-Leste. 

ABSTRACT: 
East Timor Portuguese (ETP, PTL in the Portuguese version) is the country’s official language, together with Tetun Prasa (TP), the national lingua franca. ETP is regarded as a non-dominant variety, still undergoing a process of construction; therefore it appears as rather unstable and somewhat influenced by the contact with other local languages. The present study carries out an introductory prosodic survey on ETP and points out its similarities and differences with the European and Brazilian varieties. We use the Discourse Completion Task methodology, with a readaptation of previous Portuguese questionnaires and the preparation of a new one in Tetun Prasa. Data on the intonation contours of several modalities and pragmatic sentence types will be analyzed. A first examination of broad focus statements and informationseeking yes/no and wh-questions contours suggests that prosodic transfer from the Tetun substratum onto ETP has occurred to some extent. 

Keywords: Prosody. Intonational Pattern. East Timor Portuguese.

As paisagens linguísticas de Timor-Leste - imagens, cidades e línguas

Outro artigo que publiquei com o Prof. Nuno Almeida se intitula Paisagem linguística de Timor-Leste. Multilinguismo e política linguística, e pode ser encontrado na revista DOMÍNIOS DE LINGU@GEM, v. 14, p. 1197-1244, 2020 e o download pode ser feito aqui
Este texto se trata dum resultado inicial do projeto homônimo que tem o objetivo de analisar como se distribuem e como estão representadas as línguas de Timor-Leste nas paisagens urbanas e rurais do país, descrever o que se encontrou nos dados e apresentar os resultados. Ainda não vinculamos tal projeto a nenhuma instituição ou órgão de financiamento, mas isto não impede a continuidade deste. Esperamos que após este pontapé inicial consigamos obter mais frutos... 

Seguem o resumo e duas fotos por nós analisados (créditos das fotos Prof. Nuno Almeida):




A Constituição da República Democrática de Timor-Leste estabelece o português e o tétum como línguas oficiais, reconhecendo o inglês e o indonésio apenas como línguas de trabalho e determinando o estudo e a preservação das diversas línguas nacionais. Através da análise de um recorte da paisagem linguística da capital, Díli, este estudo oferece uma perspectiva sobre a representação e distribuição das várias línguas naquela paisagem, enquadrada por uma breve contextualização em termos de política linguística, na tentativa de apurar se existe predominância de alguma(s) língua(s) sobre as outras, de verificar a visibilidade das línguas nacionais e de averiguar se há lugar a outras línguas distintas das nacionais, das oficiais e das de trabalho. Ademais, será feita a comparação dos resultados agora obtidos com aqueles apresentados noutros estudos sobre a mesma temática, naquele mesmo contexto.

Quase 20 anos de língua portuguesa em Timor-Leste

No final de 2020, publicamos um artigo, eu e o prof. Rui Ramos (Universidade do Minho), com o título O português na República Democrática de Timor-Leste: quase duas décadas depois, no qual analisamos o estado atual da língua portuguesa em Timor-Leste, bem como descrevemos de maneira breve a atuação das cooperações internacionais brasileira e portuguesa, com o objetivo de tentar apontar suas respectivas contribuições no processo de difusão do português em Timor-Leste.

O artigo saiu num número especial da Revista Letras Raras, v. 9, n. 4, 2020, dedicado à presença e ao ensino da língua portuguesa pelo planeta no Dossiê: A última flor do lácio pelo mundo. A revista pode ser lida aqui e nosso artigo pode ser encontrado aqui.    

Segue o resumo:

A República Democrática de Timor-Leste foi a primeira nação do século XXI. Localizada no Sudeste Asiático, a ilha de Timor foi colônia portuguesa desde o século XVI até 1974. Após esse período, sofreu uma dominação indonésia que durou até 1999. Em 2002, tornou-se uma nação independente e elegeu a língua portuguesa como uma das línguas oficiais, sendo a outra a língua Tétum, língua nacional falada pela maior parte da população. Desde que se tornou independente, foram várias as ações de apoio e cooperação internacionais, destacando-se, entre outras áreas, o Ensino, bem como a presença de Brasil e Portugal nesse processo. Dessa maneira, o presente artigo tem o objetivo de refletir sobre a língua portuguesa em Timor-Leste a fim de verificar o estado atual em que essa língua se encontra no país, após quase vinte anos de existência. Para tanto, após a introdução, em (1), fornecemos algumas informações sociais, históricas e linguísticas sobre a ilha de Timor, em (2); explicamos os projetos e cooperações de ensino de português em Timor-Leste, em (3); descrevemos as pesquisas e as propriedades do português falado pelos leste-timorenses, em (4); seguido por nossas considerações finais.



English Version:

This paper was also published in English version, entitled Almost two decades of Portuguese language in the Democratic Republic of Timor-Leste and can be download on this link


Abstract:
The Democratic Republic of Timor-Leste was the first nation of the 21st century. The island of Timor was a Portuguese colony in Southeast Asia from the 16th century until 1974. After that, it was under Indonesian domination which lasted until 1999. Timor-Leste became an independent nation in 2002. In this year, the country elected the Portuguese language as one of the official languages, together with Tetum, the national language spoken by most of the population. Since its independence, there has been broad international support and various cooperation actions in Timor-Leste, with education as one of the main areas. Portugal and Brazil also take part in this educational cooperation as leading actors. Thus, this article aims to reflect on the Portuguese language in Timor-Leste in order to verify the current state in which this language is found in the country, after almost twenty years’ official existence. After the introduction in (1), we provide some social, historical and linguistic information about Timor island, in (2); we explain Portuguese cooperation in teaching and projects in Timor-Leste in (3); we describe the research and properties of the Portuguese spoken by Timorese, in (4); and this is followed by our final remarks. 

KEYWORDS: Portuguese language; Timor-Leste; Language Teaching; Portuguese as Second Language; Portuguese in Asia.

The Variations and Changes of Portuguese in Postcolonial Timor-Leste

O presente artigo, The Variations and Changes of Portuguese in Postcolonial Timor-Leste, é fruto de um trabalho que seria apresentado num congresso, em parceria com o colega Prof. Nuno Almeida, que apresenta vasta experiência no ensino de Português Língua Não Materna e também Timor-Leste, porém as iniciativas nossas e do congresso feneceram. Assim, mantivemos o formato do texto original e optamos por publicar numa revista com circulação mundial, mas com ênfase na Ásia, sendo International Journal of Language Studies, 2019, Vol. 13 Issue 2, p. 69-90. O site da revista pode ser acessado aqui.

Basicamente, no texto analisamos de maneira introdutória aspectos linguísticos e educacionais da língua portuguesa em Timor-Leste, com base na gama de estudos prévios existentes dedicados a ambos os temas.  

Segue o abstract:

In order to understand the presence of the Portuguese language in Timor-Leste, three referenced historical moments must be considered: (1) originally, a colonization and cultural subjugation language--from early XVI century until 1974; (2) then, a resistance and national unity language--after Indonesian forces occupied the country (1975-1999); and (3) currently, being an official language in the areas of administration and education--the independent República Democrática de Timor-Leste would formally emerge in 2002 with two official languages (Tetum and Portuguese). Focusing on the present-day postcolonial context, this paper intends to explore its variation and change from two angles. On the one hand, we argue that present day Portuguese language carries different variations which can be classified on a continuum from Standard Portuguese to creole-like structures. On the other hand, a different set of changes on language use and education is discussed: the presence of students' mother tongues in the educational system used to share space with the other co-official language, and to handle the linguistic pressure of the two working languages--English and Indonesian. Therefore, the goal is to present an overview, simultaneously linguistic and extra-linguistic, of Portuguese language variation and change in postcolonial Timor-Leste.

A linguística ecossistêmica e a literatura em Timor-Leste

Em 2019, publiquei um artigo na Ecolinguística: Revista brasileira de ecologia e linguagem (ECO-REBEL), intitulado A linguística ecossistêmica e os estudos literários: algumas aproximações com base na literatura oral em Timor-Leste, que pode ser acessado aqui

Neste artigo, retomei a discussão que havia feito em Língua e meio ambiente na literatura em língua oral em língua Tetun, Timor Leste, cuja postagem pode ser lida aqui, bem como o artigo encontrado no mesmo link.

Segue o resumo:


O presente artigo faz uma abordagem ecolinguística, com ênfase na Linguística Ecossistêmica, da literatura oral em língua tetun, falada em diferentes regiões de Timor-Leste. Procuramos apresentar algumas relações entre língua e meio ambiente encontradas em diferentes gêneros textuais da literatura oral em língua tetun. Para tanto, discutiremos alguns aspectos teóricos da Linguística Ecossistêmica, em (1); descreveremos o Ecossistema Linguístico de Timor-Leste, em (2); apresentaremos os gêneros da literatura em língua tetun, em (3); em seguida, em (4), elaboraremos nossa análise ecolinguística da literatura tetunófona.


Saturday, October 26, 2019

A Interação Intercultural em Timor-Leste: aspectos linguísticos e ecológicos

Após um tempo parado, retomo minhas atividades no blogue para divulgar algumas publicações e resultados de pesquisas mais recentes sobre Timor-Leste.

Nesta postagem começarei por divulgar o artigo do título (A Interação Intercultural em Timor-Leste: aspectos linguísticos e ecológicos), que foi publicado na revista Plural Plurielrevue des cultures de langue portugaise, v. 19, de 2018, com um número inteiro dedicado aos estudos sobre Timor-Leste, com o título da edição especial de Processos de objetificação da cultura em Timor-Leste: Aproximações, organizado por Kelly Silva e Daniel Borges.

Meu artigo, que pode ser lido e baixado aqui, trata do resultado duma pesquisa que analisou como ocorrem as interações interculturais entre timorenses e estrangeiros, e suas escolhas e atitudes linguísticas.

Segue abaixo o resumo em francês, português e inglês:

Résumé : L’interaction interculturelle est le processus de communication, à travers des éléments linguistiques et non linguistiques, entre individus appartenant à des cultures différentes. L’île de Timor, en particulier sa partie orientale, Timor-Oriental, outre sa formation composée par des personnes appartenant à différents groupes ethniques et locutrices de langues différentes, connaît la présence de nombreux étrangers, principalement lusphones et anglophones. Une étude des interactions de deux environnements distincts (l'un formel et l'autre informel) entre un orateur brésilien et quelques locuteurs du Timor-Oriental sera présentée dans cet article. L’analyse qui sera réalisée observera trois caractéristiques: l’espace de dialogue, le temps des locuteurs et la compétence symbolique des individus qui interagissent.

Mots-clé : Timor-Oriental, Interaction interculturelle, Langue Portugaise

Resumo: A interação intercultural é o processo de comunicação, por meio de elementos linguísticos e não linguísticos, entre indivíduos pertencentes a diferentes culturas. Como a ilha de Timor, especialmente sua parte oriental, Timor-Leste, além de ser formada por povos de etnias distintas e falantes de diferentes línguas, apresenta uma presença de muitos estrangeiros, principalmente lusófonos e anglófonos, será conduzido aqui um estudo das interações em dois ambientes distintos (um formal e um informal) entre um falante brasileiro (lusófono) e alguns falantes leste-timorenses. A análise que será realizada neste artigo observará três características dessas interações: o espaço do diálogo, o tempo dos falantes e a competência simbólica dos indivíduos que estão interagindo.

Palavras-chave: Timor-Leste, interação intercultural, língua portuguesa

Abstract: Intercultural interaction is the process of communication through linguistic and non-linguistic elements among individuals from different cultures. Timor Island, especially its eastern part, East Timor, is formed by people from different ethnic groups and speakers of different languages. Furthermore, Timor has a presence of many foreigners, mainly Portuguese and English speakers. The interactions study conducted here will focus in two distinct environments (one formal and one informal) between a Brazilian (Lusophone) speaker and some East Timorese speakers. The analysis that will be carried out in this paper will observe three characteristics of these interactions: the space of the dialogue, the time of the speakers and the symbolic competence of the individuals that are interacting.

Key words: East Timor, Intercultural interaction, Portuguese Language. 

Tuesday, April 04, 2017

A ecolinguística e a dinâmica das línguas em Timor-Leste

Neste ano, a Ecolinguística comemora dez anos no Brasil com a publicação do livro de Hildo H. Couto, intitulado Ecolinguística. Estudo das relações entre língua e meio ambiente. Brasília: Ed. Thesaurus, 2007.

Para não deixar a data passar em branco, foi realizado um congresso na Universidade Estadual de Goiás - UEG, Campus Anápolis, em que apresentei o trabalho homônimo ao título desta postagem: A ecolinguística e a dinâmica das línguas em Timor-Leste, retomando alguns resultados de minha tese de doutorado.

Segue o sítio do evento aqui e o caderno de resumos que pode ser baixado aqui.

Em breve, os trabalhos apresentados serão reunidos num volume e publicado em formato de livro, tornando-se mais uma material disponível aos interessados nos temas relacionados aos estudos ecolinguísticos. 

Abaixo se encontra o resumo de meu trabalho:

Resumo:

Timor-Leste é uma ilha no Sudeste Asiático que possui o português e o Tetun como línguas oficias e o inglês e o indonésio como línguas de trabalho. Há também aproximadamente 16 línguas nativas, que pertencem a diferentes grupos linguísticos. A ecolinguística, especificamente a linguística ecossistêmica, ao trabalhar com os vários ecossistemas da língua (natural, mental e social) fornece um arcabouço teóricometodológico para se estudar o cenário linguístico de Timor-Leste, bem como outros similares. Assim, a linguística ecossistêmica fornece subsídios para a análise das línguas leste-timorenses e das línguas transplantadas para lá (as línguas estrangeiras), suas estruturas, contatos, mudanças linguísticas, interações comunicativas e como tudo isso as transformou, da mesma maneira que modificou seus falantes e o meio ambiente que os circunda, ocorrendo uma relação de interferência mútua. O presente trabalho tem como objetivo apresentar a dinâmica dessas relações, enfatizando a interação comunicativa, à luz da teoria da linguística ecossistêmica. 

Palavras-chave: 

Ecolinguística. Ecossistema da língua. Cenário linguístico. Timor-Leste. 

Sunday, April 24, 2016

Redução nas atividades do blogue!

Como os leitores e demais pessoas que acompanham minhas atividades já devem ter percebido, este blogue teve poucas postagens nos últimos anos.

Isto se deu principalmente pelo fato de eu ter voltado meus interesses para outras áreas da pesquisa Linguística, mas também pelo fato de eu optar por também me afastar um pouco de minhas atividades acadêmicas por vários motivos pessoais, entre eles minha predileção pela literatura e a vontade que tenho de me dedicar a tal atividade artística no futuro.

Porém, devo avisar aos leitores que este blogue não está abandonado, e coloquei já duas postagens divulgando minhas atividades mais recentes.

Finalizo esta postagem também dizendo que fico feliz ao saber que nos últimos anos vem crescendo o interesse pelas pesquisas linguísticas sobre o Timor-Leste por aqui no Brasil, bem como só aumentam tais atividades em Portugal, Holanda e Austrália, com um grande número de publicações que infelizmente não pude acompanhar nem divulgá-las aqui pelos mesmos motivos que expliquei acima.     

Um estudo da ecologia do contato de línguas em Timor-Leste

No número de estreia de uma nova revista na área de Linguística, especificamente na área de Ecolinguística, sediada na UnB (Universidade de Brasília), mas em parceria com a UFG (Universidade Federal de Goiás), tive a felicidade de ter um artigo meu publicado nela.

O artigo, intitulado Um estudo da ecologia do contato de línguas em Timor-Leste, está no primeiro número da REVEL - Ecolinguística: Revista Brasileira de Ecologia e Linguagem. A revista pode ser acessada neste link e o artigo de minha autoria pode ser lido aqui.

Este artigo é fruto de um estudo que eu venho desenvolvendo nos últimos dois anos sobre a relação da Ecolinguística com o Contato de Línguas, e eu acabei por usar as línguas de Timor-Leste como estudo de caso e para verificar a validade da teoria.

Segue o resumo:

O presente artigo tem como objetivo apontar os aspectos teóricos da ecologia do contato de línguas e povos, bem como aplicar tal teoria em um estudo de caso específico, que é analisar a ecologia do contato de línguas/dialetos e indivíduos/povos em Timor-Leste. Assim, este trabalho está dividido da seguinte maneira: após a introdução, será realizada uma revisão bibliográfica, em (2); em (3), serão apresentadas algumas características básicas do ecossistema linguístico local de Timor-Leste; em seguida, em (4), serão discutidas as situações de contato e alguns fatores que influenciam na ecologia do contato; em (5), serão analisados os resultados do contato de línguas e povos em Timor; finalmente, em (6), serão apresentadas as considerações finais.    

OS CONTATOS LINGUÍSTICOS EM TIMOR-LESTE: MUDANÇAS E REESTRUTURAÇÃO GRAMATICAL

Finalmente, saiu em formato de artigo esta minha comunicação já antiga, elaborada em 2009 e apresentada no ano de 2010 no  VI Encontro da ABECS (Associação Brasileira de Estudos Crioulos e Similares), e que podem ser encontradas maiores informações aqui. Devido a data em que foi escrito, o presente artigo está desatualizado tanto em relação aos dados das línguas leste-timorenses, quanto em relação a algumas análises feitas sobre o efeito do contato de línguas nestas.

A contribuição principal deste artigo está em abrir uma via para pesquisas (e pesquisadores) futuros se concentrarem em quais tipos de contato ocorreram em Timor-Leste, se são válidas as teorias de contato e crioulística para esta situação, quais os efeitos do contato nas línguas de Timor-Leste. 

O artigo, que tem o mesmo título da postagem, Os contatos linguísticos em Timor-Leste: mudanças e reestruturação gramatical, foi lançado na revista PERcursos Linguísticos, v. 5, n. 11, 2015, e pode ser acessado aqui.

Segue o resumo:

Este artigo procura analisar os diferentes casos de línguas em contato em Timor-Leste, quais línguas nativas sofreram mudanças devido ao contato e quais sofreram reestruturação gramatical devido a um contato ainda mais intenso. Ainda, as línguas de origem austronésia e papuásica de Timor-Leste sofreram mudanças linguísticas distintas, como o Tetum, o Manbae e o Tokodede que tiveram contato intenso e mudanças induzidas pelo contato, enquanto outras línguas, como o Baikenu, o Makasae e o Bunak, sofreram poucas mudanças linguísticas.

Monday, September 08, 2014

Abordagem ecolinguística do português falado em TL

Defendi minha tese de doutorado neste ano, em 2014, no Programa de Pós-Graduação em Linguística (PPGL) da Universidade de Brasília (UnB), e ela foi devidamente aprovada e recomendada para ser publicada em formato de livro, o que já está em andamento.

A tese se chama A língua portuguesa em Timor-Leste: uma abordagem ecolinguística e analisou, conforme o próprio título, o português falado em Timor-Leste de acordo com a teoria ecolinguística. Na tese, são abordados temas da história da língua, da sociolinguística, etnografia da comunicação, descrição do português falado em Timor-Leste, aquisição de língua, bi- e multilinguismo e contato de línguas em Timor-Leste.

Seguem o resumo e as palavras-chave:

A língua portuguesa é a língua oficial da República Democrática de Timor-Leste, juntamente com a língua Tetun, desde sua constituição de 2002. Porém, a influência lusófona na ilha de Timor data do ano de 1515, período em que os colonizadores portugueses chegaram pela primeira vez na ilha. Atualmente, sendo falada por cerca de 5% da população, aproximadamente 50.000 pessoas, a língua portuguesa é ensinada em todos os níveis da educação formal leste-timorense, mas se encontra ameaçada por questões de natureza política, econômica e ideológica. A presente tese pretende realizar um estudo da variedade do português falado em Timor-Leste (doravante PTL) para poder preservá-la, valorizá-la e descrever seus aspectos linguísticos mais notórios. Para tanto, será feito uso da teoria ecolinguística e seus diferentes métodos de análise, que contemplam diversas subáreas linguísticas e extralinguísticas, para que seja possível descrever o fenômeno da presença da língua portuguesa em Timor de maneira mais acurada, contemplando diferentes aspectos do objeto pesquisado. Lembrando que o fato de preservar a variedade da língua portuguesa falada em Timor-Leste trata-se também de uma postura ecológica, visando a manutenção da diversidade linguística do português no mundo. Assim, após a introdução, será feita uma revisão bibliográfica crítica da ecolinguística, no capítulo 1. Os estudos sobre a língua portuguesa em Timor-Leste serão discutidos no capítulo 2. No capítulo 3, serão discutidos aspectos da metodologia ecolinguística. No capítulo 4, será descrito o ecossistema linguístico local de Timor-Leste antes e depois do impacto da colonização europeia, seguido pela análise de quais impactos foram esses. Após este capítulo, será feita a descrição do PTL, no capítulo 5. No capítulo seguinte, o capítulo 6, será analisada a ecologia da aquisição linguística e sua relação com o contexto em que ocorre a aquisição do português em Timor-Leste. O contato de línguas é um fator importante para se entender a situação linguística atual de Timor-Leste, assim no capítulo 7 será estudada a ecologia do contato de línguas no país. Após este capítulo serão feitas as considerações finais da presente tese, enfatizando os resultados encontrados, principalmente o fato da existência de uma variedade da língua portuguesa falada em Timor-Leste, chamada de PTL, e da ecologia da língua portuguesa no ecossistema desse país.

Palavras-chave: Língua portuguesa; ecolinguística; Timor-Leste.

Revista Signótica - Influências das L1 nativas de TL no PT

Em uma postagem anterior, que pode ser acessada aqui, já tinha comentado sobre a comunicação Influências das L1 Nativas no Português de Timor-Leste: Um Estudo dos Marcadores Verbais.Agora, ela acabou de sair em formato de artigo na edição especial da revista Signótica, que pode ser lida aqui: 

O artigo pode ser acessado e lido aqui: http://www.revistas.ufg.br/index.php/sig/article/view/31407.

Este número especial é intitulado Volta ao mundo em língua portuguesa: ensino, promoção e cultura e reúne alguns trabalhos que foram apresentados no IV SIMELP (Simpósio Mundial de Estudos de Língua Portuguesa), que ocorreu em 2013, em Goiânia, na UFG (Universidade Federal de Goiás). Os artigos selecionados para esta edição, que corresponde ao volume 26 deste ano de 2014 (v. 26, 2014), versam sobre o português em Portugal, no Brasil, na África, em Macau, em Timor-Leste e nos Estados Unidos. 

Segue o índice  

Políticas públicas para o ensino de português, em Portugal: a voz de quem implementa e de quem pesquisa               
Madalena Teixeira,  Mônica Nunes  19-59

Políticas linguísticas e língua portuguesa em Macau, China: à guisa de introdução    
Roberval Teixeira-e-Silva, Maria Célia Lima-Hernandes     61-76

Escolas oficiais de Macau (China)          
Ana Rute Santos              77-88

África toma a palavra    
Josiley Francisco de Souza         89-110

Influências das L1 nativas no português de Timor-Leste: um estudo dos marcadores verbais  
Davi Borges de Albuquerque    111-121

Sobre a construção de representações culturais e identitárias em interações online em português entre estudantes franceses, franco-portugueses e brasileiros    
Liliane Santos   123-143

Uma proposta para a promoção do português brasileiro em contexto europeu não lusófono: aspectos didáticos, políticos, econômicos, sociais e linguísticos         
Vânia Cristina Casseb-Galvão   145-160

Estudos da literatura e da cultura no âmbito da língua portuguesa e diplomacia da cultura: carências e possibilidades                
Elias Torres Feijó            161-182

A presença (expansão atual) do português brasileiro nos EUA 
João Marcelo Freitas de Luna       183-196

Timor-Leste quer alfabetizar em português

Recentemente, saiu uma notícia na revista Exame sobre a temática do ensino e da presença da língua portuguesa em Timor-Leste. A matéria é intitulada Timor-Leste quer alfabetizar em português para popularizá-lo e o autor deste blogue chegou a ser entrevistado para fornecer algumas informações sobre a situação atual do ensino de português em Timor-Leste.

O texto pode ser acessado no site da revista Exame em:
Vale lembrar que esta matéria é uma tradução da original escrita em espanhol e publicada no jornal Lavanguardia pelo correspondente espanhol em Jakarta, Indonésia, o jornalista Eduardo Mariz Cortiñas. A matéria, intitulada Timor quiere extender el uso del portugés mediante la alfabetización, pode ser lida aqui:

O texto é muito válido para divulgar a situação atual dos problemas da educação formal e das questões políticas relacionadas ao ensino do português, servindo também como uma breve introdução ao tema.

Vale mesmo a leitura!

Saturday, May 10, 2014

O ecossistema linguístico local de Timor-Leste

Ocorreu nesta última sexta-feira (09/05/2014), o Seminário de Pesquisa do PPGL (Programa de Pós-Graduação em Linguística) da UnB (Universidade de Brasília) que está em extinção, pois está seus últimos eventos neste semestre, por isso divulgo somente minha participação com um tema sobre Timor-Leste. Há uma apresentação minha anterior neste seminário, que pode ser lida aqui.

O seminário foi intitulado O ecossistema linguístico local de Timor-Leste e baseou-se no capítulo 4 homônimo de minha tese de doutorado, A língua portuguesa em Timor-Leste: uma abordagem ecolinguística (para maiores informações, leia aqui), que está terminada, aguardando somente a marcação da data de defesa.

O arquivo da apresentação do seminário pode ser encontrado aqui, assim como aos interessados em saber um pouco mais de ecolinguística recomendo a leitura do blogue Meio Ambiente e Linguagem, que pode ser acessado aqui, e também de verificar as postagens anteriores deste blogue com a marcação/tag Ecolinguística


Os arredores de montanhosos da capital, Dili. Foto: Rui Correia.


Segue abaixo um resumo da apresentação:


A proposta ecolinguística utilizada aqui é de Couto (2007), que tem como base a Ecologia Fundamental da Língua (EFL), ou Ecossistema Fundamental da Língua. O Ecossistema Fundamental da Língua (EFL) equivale ao conceito da comunidade falante da língua e é onde ocorrem as interações comunicativas. A EFL é formada pela Linguagem (L), pelo Povo (P) falante da L e o território (T) onde o P reside e fala a L. A tríade P-L-T é análoga ao signo semiótico de Peirce e é melhor representada graficamente de maneira triangular. 

P
/     \
L ----- T

Pode-se observar também que na posição do ápice do triângulo está localizado o P, indicando que a relação entre L e T é mediada por ele. Digno de nota é que representações semelhantes já se encontravam em trabalhos anteriores, como Trampe (1990) e Door e Bang (2001), conforme afirma Couto (2007, p.91). O EFL possui três ecossistemas dentro dele, dependendo de como são encarados os elementos P, L e T. Segundo Couto (2013b, p. 299), esses ecossistemas são: o ecossistema natural da língua (1), o ecossistema mental da língua (2) e o ecossistema social da língua (3), que são representados da mesma maneira triangular acima.
O ecossistema natural da língua (1) consiste em um povo (P1), que habita em seu território (T1) e se comunica por meio da língua (L1) da comunidade. Porém, no ecossistema natural da língua P1 é visto como seres físicos e T1 é encarado fisicamente, assim a Lé uma realidade concreta que se relaciona com os demais elementos do ecossistema. Esta é uma visão mais biológica da língua e do ecossistema. Em (2), há o ecossistema mental da língua em que a língua é vista como um fenômeno mental (L2), sendo P2 a parte da mente do indivíduo que processa a língua e (T2) é o cérebro, sendo encarado como entidade concreta. O ecossistema social da língua, representado em (3), trata-se da língua (L3), sendo encarada como fenômeno social e P3 é a comunidade que fala a L3, enquanto o T3 é a sociedade (COUTO 2013b, p. 299).  
Desta maneira, o ecossistema linguístico engloba os três ecossistemas mencionados anteriormente e, de acordo com Couto (2013b, p. 294), pode ser dividido em ecossistema linguístico geral e local. O primeiro, o ecossistema linguístico geral, equivale à comunidade de língua e ao domínio do sistema. O segundo, o ecossistema linguístico local, consiste na comunidade de fala, ou de interação, sendo, assim, o ecossistema onde ocorrem os atos de interação comunicativa (AIC), que serão explicados posteriormente. Neste capítulo, será analisado o ecossistema linguístico local de Timor-Leste, onde ocorrem os AICs em língua portuguesa.
Assim, na seção 1, serão expostas algumas informações básicas sobre os ecossistemas natural, mental e social da língua em Timor-Leste. Na seção 2, será oferecido um panorama histórico de Timor para em seguida, na seção 3, discorrer a respeito da língua portuguesa na ilha. Na seção 4, serão analisados os impactos da língua portuguesa e da presença do colonizador português, assim como na seção 5 as influências da inserção da tecnologia da escrita nas sociedades ágrafas leste-timorenses. Finalmente, na seção 6, serão oferecidas algumas palavras sobre o futuro do ecossistema linguístico local de Timor-Leste.  

Referências

BANG, Jørgen C.; DØØR, Jørgen. Language, Ecology and Society. A Dialectical Approach. Editado por Sune Vork Steffensen e Joshua Nash. Londres: Continuum, 2007.
COUTO, Hildo H. Ecolinguística. Estudo das relações entre língua e meio ambiente. Brasília: Thesaurus, 2007.
_____. O que vem a ser ecolinguística, afinal? Cadernos de Linguagem & Sociedade, v. 14, n. 1, p. 275-313, 2013.
TRAMPE, Wilhelm. Ökologische Linguistik. Grundlagen einer ökologischen Wissenschafts- und Sprachtheorie. Opladen: Westdeutscher Verlag, 1990.

Wednesday, April 23, 2014

Manuscritos do século XVIII sobre o português em Timor

Acabou de sair o mais novo artigo de minha autoria, intitulado Manuscritos do século XVIII sobre o português em Timor. O artigo foi publicado na Revista de Filologia e Linguística Portuguesa, da Universidade de São Paulo (USP), no volume 15, número 2, do ano de 2013. 

Esta publicação dá continuidade a minha pesquisa sobre a língua portuguesa em Timor-Leste. Neste artigo, procuro traçar as possíveis origens da variedade da língua portuguesa falada em Timor, investigando documentos, datados do século XVIII, escritos em português pelos timorenses. Assim, este trabalho acaba por relacionar diferentes áreas, abordando temas da história, da filologia, do contato de línguas, da crioulística e da dialetologia.      

O artigo pode ser baixado aqui e aqui, e o resumo pode ser lido abaixo:

O presente artigo tem como objetivo analisar traços históricos e linguísticos em documentos de origem holandesa, que datam do início do século XVIII, existentes sobre a língua portuguesa na ilha de Timor. Estes documentos estão localizados no Arsip Nasional (ANRI) ‘Arquivo Nacional’ em Jakarta, Indonésia, e no Koninklijk Instituut voor Taal-, Land- en Volkenkunde (KITLV) ‘Instituto Real Holandês de Estudos do Sudeste Asiático e Caribe’ em Leiden, Holanda. Os documentos holandeses não foram escolhidos de maneira aleatória, a justificativa para a escolha está baseada na escassez de análises existentes sobre essas fontes históricas, quando comparadas à documentação portuguesa, que vem sendo extensamente estudada desde o século XIX por historiadores portugueses e, em menor extensão, por filólogos também de origem portuguesa. Os documentos localizados no arquivo indonésio, que serão o objeto da análise, datam da primeira metade do século XVIII, período no qual ocorreu grande migração lusófona para a ilha de Timor. Já os documentos localizados na Holanda datam do início do século XVIII e serão usados somente para reiterar a análise efetuada, como evidências adicionais. Assim, em (2), serão apontadas as principais características descritas para a variedade da língua portuguesa falada atualmente em Timor-Leste, conhecida como Português de Timor-Leste (PTL), e, em (3), o corpus textual já mencionado será analisado, buscando informações históricas e evidências linguísticas que possam contribuir para um melhor entendimento da origem, formação e desenvolvimento do que hoje veio a ser tornar a variedade da língua portuguesa falada em Timor-Leste. Finalmente, em (4), estão as considerações finais a respeito da análise efetuada.