Sunday, December 09, 2012

O genocídio indonésio em Timor-Leste

Excelente notícia do blogue Página Global, que se chama Genocídio em Timor-Leste, 7 de dezembro de 1975 - Os roubos e a miséria atual, discuti a invasão indonésia que foi um verdadeiro massacre, genocídio, a que foi submetida a população leste-timorense. A Indonésia implantou um regime opressor e ditatorial, com torturas e matanças, que foram escondidas da mass media durante muitos anos, provavelmente só veio à tona com as filmagens de Stahl em 1991, durante o massacre de Santa Cruz.

Portanto, que esta notícia fique como reflexão para os estrangeiros que atuam em Timor-Leste, assim como para os governantes do país que estão sendo acusados de corrupção, desvio de verbas, entre outras coisas, juntamente com a geração mais nova leste-timorense que é simpatizante ao regime indonésio, que pensem no que há de 'simpatizar' sobre o que a Indonésia fez a Timor...

Segue a notícia:


GENOCÍDIO EM TIMOR-LESTE, 7 DE DEZEMBRO DE 1975 – OS ROUBOS E A MISÉRIA ATUAL

 

António Veríssimo, com Ana Loro Metan – com vídeos
 
Timor-Leste, 7 de dezembro de 1975, a invasão pelas tropas indonésias. Até à presente data passaram 37 anos. Aconteceram há poucos dias as comemorações correspondentes para memória futura. Que se saiba, em Portugal, a data passou sem referências relevantes, diríamos mesmo que passou sem que nada fosse referido, que saibamos. Propositadamente optámos por também não o referir e assim preparar para o dia de hoje a divulgação da efeméride do silêncio. Admitimos que estivéssemos enganados, procurámos… Nada.
 
Ao longo da existência da Fábrica dos Blogues, do Timor Lorosae Nação, e depois do Página Global, não deixámos passar um ano sem que não recordássemos a invasão de Timor-Leste pela Indonésia de Shuarto com a cumplicidade dos Estados Unidos da América, da Inglaterra e da Austrália – os países mais relevantes no massacre de timorenses. A preponderância de um verdadeiro criminoso de guerra norte-americano, Henry Kissinger, então secretário de estado dos EUA, com o aval do seu presidente Gerald Ford, foram os cúmplices, quase mentores, da invasão e consequente genocidio que vitimou cerca de 300 mil timorenses ao longo de quase um quarto de século. Portugal, pequeno país, pouco mais podia que contestar o ocorrido nas instâncias internacionais, na ONU. Coube aos timorenses a libertação do seu território, do seu país. Foi preponderante o valor guerreiro e patriótico da resistência, as Falintil, um exército irregular composto pelo povo. Milhares tombaram para sempre, uns referenciados pelas suas ações, outros incognitamente. Todos eles foram os heróis que deverão ser sempre homenageados e recordados com vemência por todos os séculos ou milénios futuros da nação timorense.
 
Quase na atualidade, em 2010, uma timorense que viveu a invasão, que deu à Pátria muitos dos seus entes queridos, que sofreu agruras e torturas infligidas pelos invasores – e que faleceu há alguns meses com o regozijo de ter visto a sua Pátria independente - que fez parte da equipa da Fábrica dos Blogues escrevia acerca da efeméride:
 
Invasão de Timor: NÃO ESQUEÇAMOS AS VÍTIMAS NEM OS TRAIDORES!
 
Ana Loro Metan – Timor Lorosae Nação, em 07.12.10 - reposição

PASSADO DOLOROSO DE UM POVO, PRESENTE VERGONHOSO DOS LÍDERES

Em Timor Leste o dia está prestes a terminar. Há 35 anos, a 7 de dezembro de 1975, por esta hora já havia milhares de cadáveres pelo país. Cadáveres de timorenses. Filhos da Pátria que procuraram resistir à ocupação indonésia. Outros, filhos da Pátria, que sem esboçarem a mínima resistência foram igualmente assassinados.

As ruas de Dili estavam pejadas de cadáveres remetidos ao silêncio pelo ocupante assassino indonésio. Timor inteiro ficou em silêncio, nem as dores de sofrimento dos imensos feridos – muitos deles que viriam a sucumbir nos dias imediatamente a seguir a terem sido vítimas dos indonésios. Nada se ouvia, nem as dores, nem o medo, nem a fome, nem os choros. O silêncio só era interrompido pelas viaturas dos ocupantes, pelos estrondos das suas armas, dos seus passos, das suas vozes em perseguição do extermínio de todos nós. Logo nas quatro primeiras semanas mais de 10 mil timorenses pereceram às mãos das sanguinárias forças armadas indonésias. E hoje o que se recorda?

Na comemoração da efeméride nada se recorda sobre a verdadeira realidade dos acontecimentos. Os assassinos, militares ou civis indonésios ao serviço da secreta, continuam a gozar da impunidade que o mundo e os dirigentes timorenses consideram merecer. Actualmente todos comem à mesma mesa, riem das mesmas graças, trocam cheques dos mesmos bancos, cumprimentam-se e abraçam-se sobre terrenos onde estão os ossos das vítimas misturadas nas valas comuns. Muitas dessas vítimas donos de corpos jovens, também velhos ou crianças, alguns enterrados vivos. Talvez por isso Ramos Horta, Xanana Gusmão e muitos outros, tenham vergonha de comemorar como devem a efeméride. Conscientes dos seus conluios e das suas traições.

Timorense que se respeite e se preze jamais esquecerá as quase 300 mil vítimas dos cerca de 25 anos de ocupação e de assassinatos impunes. Impunes por vontade de Ramos Horta e de muitos outros traidores que se alaparam nos poderes da Nação timorense distribuindo fome e miséria ao povo que acreditou neles sem que o devesse fazer. Beneficiando imerecidamente de boa vida sobre os cadáveres dos nossos familiares, dos seus próprios familiares.

Resta-nos jamais esquecer as vítimas… Nem os traidores. (fim ALM)
 
EM TIMOR-LESTE NÃO ESQUECEM A EFEMÉRIDE DO TERROR
 
Contrariamente ao silêncio que aconteceu em Portugal (pelo que conhecemos), em Timor-Leste não esquecem a efeméride. Também era o faltava. Se assim fosse seria a cereja sobre o bolo intragável da traição. O grupo cultural Arte Moris abriu as portas do seu auditório para a exposição sobre o dia da invasão indonésia a Timor-Leste. Outras iniciativas e homenagens marcaram a data pelo país do sol nascente. Em Portugal, em português, que saibamos, quase nada ou nada foi referenciado. Para a maioria dos situacionistas Timor-Leste é livre, independente e os timorenses vivem em democracia. Infelizmente não é esta a verdade que podemos constatar no terreno, no país. Abundam as carências alimentares, há enormes carências de cuidados de saúde, escolares, de emprego, de habitação, de redes viárias, etc., etc. A sobrevivência e a dignidade de centenas de milhares de timorenses está a ser aviltada.
 
Poder-se-ia dizer que o facto de Timor-Leste estar votado a país do terceiro mundo se deve ao facto de ter só 10 anos de existência enquanto nação independente e que os indonésios e as matilhas de celerados assassinos das milícias timorenses ao seu serviço destruíram literalmente o país e suas infraestruturas em 1999 após o referendo ter sido fortemente favoravel à independência. Em parte é verdade. Só em parte. A responsabilidade do restante sobre a miséria e as injustiças sociais que impendem sobre quase 90 por cento dos cidadãos timorenses cabe a uma boa percentagem de lideres ditos históricos e lideres da atualidade que mais não são que traidores dos propósitos daqueles que deram as vidas pela libertação do povo e do país. Assim como a certos vícios de seitas prevalecentes na ONU e que para muitos se comparam a máfias mundiais que servem interesses adversos aos povos a quem as missões deviam servir a cem por cento.
 
A realidade timorense está anexa a obscuros enriquecimentos, corrupção e roubos, que se têm multiplicado durante o primado ministerial de Xanana Gusmão. Não se podendo afirmar que Ramos Horta cumpriu contra isso a sua missão enquanto presidente da República. E tudo ocorre de modo impune, à moda de Timor-Leste, com a conivência e o silêncio de muitos outros estrangeiros e da ONU. Os milhões provindos do petróleo e do gás correm céleres para as contas encapotadas de uma elite sorridente e putrefacta que está a condenar a vasta maioria dos timorenses à miséria, à fome, à subserviência e à sobrevivência por qualquer preço menos digno. Condena mulheres, jovens e crianças à prostituição. Existe um rácio elevado de pedofilia de que nem se fala, nem se aborda. Há anos que impendem acusações disso mesmo contra o bispo Ximenes Belo, por exemplo – de que a atual Procuradora Geral da República tem conhecimento – mas tudo é relegado ao ostracismo, à ineficácia, ao silêncio puro, duro, indigno e intolerável.
 
Este é o Timor-Leste do presente, dominado por uns quantos que traem a memória dos heróis do passado que pereceram, dos heróis do passado que ainda existem, das crianças e dos jovens de agora, dos velhos, das mulheres e homens que na impossibilidade de se alimentarem da independência passam fome, muitas carências e fazem escolhas no lixo em busca de alimentos que outros tenham desprezado. De restos alimentares que ingerem aplacando a fome. Eis o Timor-Leste de hoje, em pleno reinado de uma estirpe de traidores encimados por Xanana Gusmão com a impossibilidade e silêncio de um presidente da República há pouco tempo eleito, Taur Matan Ruak - herói da libertação - mas que tem curta margem de manobra constitucional para fazer frente ao todo poderoso status da mafia instalada. O que não significa que também ele esteja a constituir uma grande desilusão. O costume, nos que se instalam nos poderes.
 
Foi o povo timorense, os eleitores, que ainda há pouco tempo reelegeram Xanana Gusmão e o seu partido (CNRT) para continuar com a devassa. A exemplo de muitos povos a certeza que fica é de que neles é genético as tendências para o masoquismo, para o sofrimento que promete o céu no além – segundo o dito pelas religiões a operar no terreno, com destaque para a igreja católica que se arroga de ter mais de 90 por cento de crentes entre a população timorense. Que tem o histórico domínio daquele povo, isso é verdade. Com uns e outros a dominar concluiu-se que existe um caldo de cultura para dominar a maioria dos timorenses tornando-os mansos apesar da fome e das injustiças quotidianas. Algo muito mais eficaz do que o obtido pelos invasores indonésios de que se libertaram, teórica e aparentemente… Seguro existir são os roubos e a miséria atual.
 
Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades. Sejamos optimistas. Um dia…
 
Referências de interesse:
Ocupação deTimor-Leste pela Indonésia – texto da wikipedia 

Documentário RTP(1/5): Timor-Leste - 1975 - Ataúro, Dili, Atabai (vídeo) 


Timor Leste Debaixo de Fogo (filme legendado em português)


Timor Lorosae - O Massacre que o Mundo Não Viu (documentário dirigido pela atriz brasileira Lucélia Santos)



2 comments:

Davi Albuquerque said...

Recentemente, o blogue 'Língua Portuguesa em Timor-Leste', do amigo Nuno Almeida, apresentou uma postagem onde se encontram disponibilizadas as 5 partes do vídeo 'Documentário RTP(1/5): Timor-Leste - 1975 - Ataúro, Dili, Atabai'. As outras partes na verdade tratam de outros temas de Timor-Leste, assim como foram transmitidas em outros programas da RTP, mas vale a pena conferir para se saber um pouco mais de como Timor era retratado na época. O link é http://profesdeptemtl.blogspot.com.br/2012/12/timor-leste-na-televisao-portuguesa-em.html.

Cygnus said...

Obrigada por esta informação.
Tristes notícias !!!!!